Em nosso último post falamos que o marketing de conteúdo é ineficaz sem uma estratégia ampla agregada. Em tese, significa que é preciso atrelar outras técnicas e ferramentas que vão além da produção qualificada de conteúdos. Uma dessas técnicas é o SEO, sigla que significa Search Engine Optimization. Numa tradução livre seria: Otimização dos Motores de Busca. Mas o que é isso?

O que é SEO?

conversão SEO

Numa explicação simplificada o SEO contempla uma série de rotinas e regras que favorecem a indexação de uma página no serviço de buscas do Google. Mas como isso acontece? Em linhas gerais, o Google (vamos nos ater ao Google pelo fato de serviço deter mais de 90% dos usuários brasileiros) conta com um sistema robusto capaz de varrer a internet em busca de novas páginas para ampliar seu banco dados e oferecer mais resultados nas pesquisas aos usuários. 

Os responsáveis por essas visitas são os chamados bots (robôs) que vasculham a rede constantemente e leem os conteúdos das páginas. Nessas visitas, as páginas de conteúdos mais relevantes têm melhor avaliação no Google Page Rank, que é métrica que indica qual é o melhor resultado para determinada busca na chamada pesquisa orgânica (resultados não pagos). 

 

Função do SEO

função do SEO

O que o SEO faz é tornar uma página mais propícia à indexação, por meio de análise de palavras-chave e sua hierarquização dentro da página, construção de uma rede links externos (Link Building), dentre outras rotinas. Mas qualificar não é simples. Na verdade demanda tempo e muito trabalho. Um projeto de SEO leva no mínimo seis meses para dar resultado. Por outro lado, pode se tornar mais eficiente quando é planejando dentro de uma estratégia que contemple um plano de marketing de conteúdo. 

Isso porque a versão mais recente do algoritmo do Google, o Hummingbird (beija-flor), está ainda mais refinado. Ele é capaz de não apenas verificar o emprego das palavras-chave, mas também consegue analisar a qualidade das informações contidas na página. Até mesmo a grafia passa a ser um quesito de ranqueamento. Daí, um conteúdo bem estruturado, com volume amplo de informações (que além do texto também contemplam imagens, gráficos e vídeos) é um facilitador para o trabalho do analista de SEO. 

E quando o SEO é bem feito, o potencial de tráfego de determinada página é bem mais amplo. Ou seja, o conteúdo tem mais chances de figurar nos primeiros resultados do Google. E vale sempre lembrar que 75% dos usuários nunca avançam para a segunda página da pesquisa e na terceira página é como se seu conteúdo não existisse.

Marketing de Conteúdo e SEO

mkt conteúdo e SEO

Mas em como o marketing de conteúdo pode auxiliar na estratégia de SEO? Como já foi dito, o conteúdo é parte do processo, mas tem grande valia na estruturação do projeto de ranqueamento. Uma dica para quem vai produzir matéria dentro de um plano de marketing de conteúdo é fazer uma pequeno estudo sobre ambiente web, antes mesmo de pesquisar sobre o que irá escrever.

Um conhecimento básico sobre HTML pode ser útil na compreensão de categorização de palavras-chave, como seu uso nas referências h1, h2, h3 e h4 (falaremos disso posteriormente), assim como posicionamento estratégico dessas palavras na estrutura do texto para facilitar a “leitura do robô”. Dessa forma, boa parte do trabalho da analista já estará resolvido.

Mas o elemento fundamental dentro da lógica do Google é a rede links que levam até a sua página. O leitor por estar se perguntando: Como conseguirei que minha página receba um link dentro de outra página? Especialistas em SEO trabalham com uma estrutura de sites e servidores que ajudam a construir essa rede de maneira “não natural”. 

No entanto, é possível que sua página se torne referência a partir do momento que o seu conteúdo seja relevante, expresse confiança, seja rico em informações, tenha boas fontes e tenha uma redação de fácil absorção e que estimule a leitura a ponto de se tornar uma referência para outras páginas. Na próxima explicaremos por que os links externos são tão importantes na estruturação do Google.